Vale Mais Saúde

Acesse o Vale Mais Saúde

idpublicacao: revisita:

TDAH

O que é TDAH


O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é um transtorno neuropsiquiátrico crônico, que tem início na infância e, em cerca de metade dos casos, acompanha os pacientes até a vida adulta.1


Crianças, adolescentes e adultos com TDAH podem apresentar sinais e sintomas distintos em cada fase da vida. Mas, para que o TDAH possa de fato ser caracterizado, é preciso que haja a manifestação consistente de um conjunto de sintomas e sinais, em diferentes ambientes (na escola ou trabalho, em casa, na vida social, etc.), acarretando em prejuízos na vida do paciente.2


Além do impacto causado pelos sinais e sintomas do TDAH propriamente dito, os pacientes e seus familiares (no caso das crianças e adolescentes) sofrem também com a desinformação das pessoas sobre o TDAH, e às vezes até mesmo com os preconceitos envolvidos com o diagnóstico e tratamento da doença. Por isso, vale sempre lembrar que por mais desafiador que seja seguir o tratamento conforme recomendado pelo médico, as pessoas com TDAH podem ter qualidade de vida e alcançar grandes objetivos, desde que tenham adesão ao tratamento e recebam o apoio necessário.


O que causa o TDAH?


Ainda não se sabe exatamente quais as causas do TDAH, mas os pesquisadores acreditam que para haver a manifestação da doença é necessário uma combinação de fatores, incluindo genéticos, ambientais e biológicos.3



Sintomas do TDAH


Conforme explica o Manual de Estatística e Diagnóstico de Transtornos Mentais (DSM-5), o TDAH compreende uma lista de 18 sinais e sintomas, divididos em três grupos: desatenção, hiperatividade e impulsividade. Para que o TDAH seja considerado,é preciso que haja no mínimo seis sintomas de desatenção e/ou hiperatividade-impulsividade em crianças, e no mínimo cinco sinais e sintomas em adultos.2,4


Os pacientes podem apresentar predominantemente algum grupo de sintomas, sendo mais desatento do que impulsivo, por exemplo. Ao longo dos anos e nas diferentes fases da vida essa predominância pode mudar.2


Atenção: sintomas isolados ou pontuais não caracterizam o TDAH!


É importante ressaltar a manifestação de um ou alguns desses sinais e sintomas em um determinado momento da vida e/ou de forma isolada não caracteriza o diagnóstico do TDAH.2



Diagnóstico do TDAH


Assim como ocorre com diversos outros transtornos psiquiátricos, o diagnóstico do TDAH é clínico. Para isso, o médico avalia o paciente, considerando seu histórico de saúde e o da família, recebe o relato dos sintomas da família, escola, entre outras fontes e utiliza ferramentas internacionalmente reconhecidas para o diagnóstico do TDAH, como o Manual de Estatística e Diagnóstico de Transtornos Mentais (DSM-5).2



Ao analisar os resultados do DSM-5, o médico também avalia se há prejuízos causados pelo TDAH na vida do paciente, qual afrequência e a intensidade deles.2


Por fim, é preciso ter em mente que a manifestação isolada de um ou mesmo de alguns sintomas não caracteriza o diagnóstico do TDAH. Devido à tamanha complexidade, o diagnóstico definitivo demanda tempo e podem ser necessárias diversas consultas e avaliações complementares até que o médico seja capaz de confirmar ou excluir o diagnóstico do TDAH – e isso é perfeitamente normal. O importante é que o diagnóstico esteja correto!



Tratamento do TDAH


O tratamento do TDAH é chamado de multimodal. Isto porque ele deve combinar diferentes abordagens, visando melhores resultados para os pacientes e seus familiares. Além dos medicamentos, podem ser necessários no tratamento do TDAH recursos como:5


• Apoio psicoeducacional;
• Psicoterapias;
• Fonoaudiologia;
• Psicopedagogia;
• Uso de recursos tecnológicos, como aplicativos e agendas, que ajudam a controlar os sintomas e a priorizar as atividades;
• Ajustes no ambiente, por exemplo, visando a criação de regras claras e supervisão, entre outros


Os medicamentos para o tratamento do TDAH, utilizados em conjunto com as abordagens descritas acima, visam reduzir a hiperatividade e impulsividade, além de melhorar a capacidade de concentração, trabalho, aprendizado e organização das pessoas com TDAH.6


Para saber mais sobre o TDAH acesse: http://tdah.novartis.com.br/.



TDAH no Vale Mais Saúde (Programa Inclusão)


Para ajudar pacientes e familiares na adesão ao tratamento do TDAH, seguindo as recomendações médicas, a Novartis disponibiliza o Programa Inclusão. Em cada fase da vida, os pacientes recebem informações específicas e apoio para entender a doença, além de descontos nos medicamentos.


O Programa Inclusão disponibiliza materiais impressos para crianças e conteúdo digital para adolescentes e adultos, com uma série de dicas psicoeducacionais que ajudam os pacientes.


No caso das crianças (6 e 12 anos), alguns dos objetivos são contribuir com o foco em um estímulo específico e o controle da impulsividade, além de apoiar os pais em relação às advertências e reforços positivos.


Já para adolescentes (12 a 18 anos), alguns dos objetivos são ensinar sobre a flexibilização da atenção; controle da impulsividade e das finanças, por exemplo, criação de metas e novas rotinas.


Para os adultos com TDAH, alguns dos objetivos do Programa são contribuir para que mantenham a atenção no caminho para o trabalho ou outro compromisso, evitando atrasos e acidentes, tenham suporte no planejamento e na priorização das atividades diárias e gastos mensais e também consigam controlar a impulsividade, por meio de rotinas autoinstrucionais.


Para saber mais sobre o Programa Inclusão clique aqui! Para se cadastrar acesse aqui ou ligue para 0800 707 1080. 





Referências



1.MIT. Inside the adult ADHD brain. Disponível em http://mcgovern.mit.edu/news/news/inside-the-adult-adhd-brain/. Acesso em agosto de 2015.
2. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. DSM-V – 5ª Ed. 2014.
3.Mayo Clinic. ADHA. Disponível em http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/adhd/basics/causes/con-20023647 . Acesso em setembro de 2015.
4.ABDA. Entenda o TDAH nos critérios do DSM-V. Disponível em http://www.tdah.org.br/br/artigos/textos/item/964-entenda-o-tdah-nos-crit%C3%A9rios-do-dsm-v.html. Acesso em agosto de 2015.
5.ABDA. Tratamento. Disponível em http://www.tdah.org.br/br/sobre-tdah/tratamento.html . Acesso em setembro de 2015.
6.NIH.Attention Deficit Hyperactivity Disorder. Disponível em http://www.nimh.nih.gov/health/topics/attention-deficit-hyperactivity-disorder-adhd/index.shtml#part_145449. Acesso em setembro de 2015.