Vale Mais Saúde

Acesse o Vale Mais Saúde

idpublicacao: revisita:

Alergia ocular

O que é alergia ocular?
A alergia é um processo bastante comum do nosso corpo. Quando ocorre nos olhos, a alergia é uma resposta do sistema imunológico na tentativa de combater um agente externo (chamado de alérgeno), que pode ser trazer algum dano para a visão.1 Entre os tipos mais comuns de alergias oculares estão as conjuntivites alérgicas.2


Em geral, as alergias oculares são causadas por:2,3

• Pólen;

• Pelos de animais de estimação;

• Ácaros;

• Mofo;

• Fumaça de cigarro;

• Poluição;

• Poeira;

• Perfume.

Existem quatro tipos principais de alergias conhecidas como conjuntivites alérgicas. São elas:

• Conjuntivite sazonal: é o tipo mais comum, em geral ocorre de forma associada a outras condições do paciente, como rinite ou asma.4


• Ceratoconjuntivite atópica: afeta principalmente pessoas com mais de 40 anos, com quadro simultâneo de dermatite atópica (eczema). Pode resultar em olho seco e na obstrução do canal lacrimal, além de frequentemente trazer riscos associados ao comprometimento da córnea.4


• Conjuntivite primaveril: mais frequente em regiões de clima quente e seco. As crises são mais frequentes na primavera e no verão e afeta principalmente meninos, dos 7 aos 10 anos. É preciso cuidar para que não haja desenvolvimento de outras doenças como consequência do tratamento de longo prazo.4


• Conjuntivite papilar gigante: é bastante associada ao uso incorreto de lentes de contato, incluindo má higienização, uso das lentes por mais tempo do que o recomendado ou de forma não indicada. Este tipo de conjuntivite é caracterizado pela presença de papilas gigantes na palpebral superior.4

Vale reforçar que as alergias oculares são formas não contagiosas de conjuntivites – diferentemente das conjuntivites causadas por infeções virais ou bacterianas, que são altamente contagiosas.5


Os sintomas das alergias oculares incluem vermelhidão, inchaço das pálpebras, lacrimejamento e coceira nos olhos.2,3 O correto diagnóstico da conjuntivite alérgica precisa ser feito por um oftalmologista.


Tanto crianças quanto adultos podem sofrer com as alergias oculares, sendo a condição mais comum em pessoas que já manifestam outros tipos de alergia, como rinite, asma ou mesmo alergias na pele.4


Se não diagnosticada e tratada corretamente, as alergias oculares ou conjuntivites alérgicas podem se prolongar, trazendo risco de danos à visão. Por isso, ao identificar os sintomas, os pacientes devem buscar ajuda especializada junto ao oftalmologista, que recomendará o tratamento adequado para cada caso.

Cuidado: coçar os olhos pode ser mais perigoso do que você imagina!


Um dos graves riscos da alergia ocular é decorrente da coceira. Além de agravar a vermelhidão e o inchaço nos olhos, a pressão exercida pelos dedos ao coçar pode lesionar áreas importantes dos olhos e levar ao desenvolvimento de outras condições sérias, como o ceratocone. O ceratocone é caracterizado por uma deformidade na córnea, que se torna mais fina do que o normal. Em casos graves, o tratamento do ceratocone pode demandar até o transplante de córnea.6



Como prevenir a alergia ocular?



Fonte: Folder Alergia Ocular - Saiba mais sobre alergia ocular e como evitar.



Sintomas da alergia ocular


Entre os sintomas comuns da alergia ocular estão:

• Coceira (é o sintoma mais característico e frequente da alergia ocular);2,3

• Vermelhidão;2

• Queimação;2

• Inchaço das pálpebras;3

• Lacrimejamento ou liberação de uma secreção aquosa;2,3

• Sensibilidade à luz.3



Diagnóstico da alergia ocular


O oftalmologista é o profissional indicado para fazer o diagnóstico da alergia ocular. Ele é capaz de diferenciar se os sintomas apresentados são de fato decorrentes de uma conjuntivite alérgica, por exemplo, ou de uma infecção ocular.2


Para confirmar o diagnóstico da alergia ocular, o médico analisa os sintomas através de um exame clínico. Ele checa, entre outras coisas, a presença de vasos sanguíneos dilatados na superfície dos olhos. Em casos mais graves e/ou persistentes, o oftalmologista pode ainda solicitar exames específicos para indicar a causa da alergia com mais precisão.4



Tratamento da alergia ocular


O primeiro passo no tratamento da alergia ocular é a identificação e, sempre que possível, o controle da exposição ao agente causador. Além disso, o oftalmologista pode prescrever colírios capazes de diminuir ou barrar a relação alérgica nos olhos, aliviando os sintomas de forma significativa e muitas vezes imediata.2


Com o objetivo de proteger a superfície dos olhos e diluir a quantidade de alérgenos presente, o médico pode recomendar também o uso de lágrimas artificiais. Outro benefício do uso de lágrimas artificiais no tratamento das conjuntivites alérgicas é evitar o ressecamento ocular, que pode ser provocado pelo uso de antialérgicos sistêmicos.7


Se os sintomas persistirem ou forem muito intensos, o médico pode ainda associar os colírios a outros medicamentos orais e até mesmo injetáveis para controlar o processo alérgico.2


colirio1

Fonte: Folder Alergia Ocular - Saiba mais sobre alergia ocular e como evitar.



Alergia ocular no Vale Mais Saúde


Como a adesão ao tratamento é parte fundamental no combate à alergia ocular, a Novartis disponibiliza, por meio de seu Programa Vale mais Saúde (VMS), informação sobre essa condição, além de descontos na compra de colírios indicados no combate à alergia ocular.


Para saber como ter acesso a esses benefícios, ligue para 0800 707 1080 e cadastre-se aqui!





Referências



1. MedLine Plus. Allergies Overview. Disponível em https://medlineplus.gov/ency/article/000812.htm. Acesso em agosto de 2016.
2. American College of Allergy, Asthma, & Immunology (ACCAI). Disponível em http://acaai.org/allergies/types/eye-allergies. Acesso em agosto de 2016.
3. Alergia Ocular – Saiba mais sobre alergia ocular e como evitar. Folder Alcon. Data on file.
4. Grupo Editorial Moreira Jr. Como Diagnosticar e Tratar Conjuntivites. Disponível em http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=5161. Acesso em setembro de 2016.
5. Diário Feminino. Conjuntivite: Nem todos os casos são contagiosos. Disponível em http://www.diariofeminino.com/saude/vida-saudavel/materias/conjuntivite-olhos/. Acesso em setembro de 2016.
6. Minha Vida. Ceratocone: casos graves podem levar a transplante de córnea. Disponível em http://www.minhavida.com.br/saude/materias/17390-ceratocone-casos-graves-podem-levar-a-transplante-de-cornea. Acesso em Agosto de 2016.
7. Drauzio Varella. Síndrome do Olho Seco. Disponível em http://drauziovarella.com.br/envelhecimento/sindrome-do-olho-seco/. Acesso em setembro de 2016.