Vale Mais Saúde

Acesse o Vale Mais Saúde

idpublicacao: revisita:

O que é a doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é um tipo de demência, ou seja, uma enfermidade neurodegenerativa relacionada com a perda das funções cognitivas (memória, orientação espaço-temporal, atenção e capacidade de comunicação) e não cognitivas (distúrbios comportamentais e mudanças de personalidade). O paciente não se lembra de fatos recentes, tem o raciocínio, aprendizado e habilidades para realizar tarefas cotidianas prejudicadas e tem dificuldade para se expressar. Ainda, pode sentir-se apático, deprimido e ficar mais agressivo.

É importante ter em mente que, cientificamente, a palavra demência, empregado para definir a doença de Alzheimer, “é usada com o significado de declínio adquirido, persistente, em múltiplos domínios das funções cognitivas e não cognitivas.”1 Popularmente, o termo é empregado com o significado de loucura, não sendo este o caso da doença de Alzheimer. Existem outros tipos de demência, mas a doença de Alzheimer é a mais frequente.

A estimativa é a de que, no Brasil, existam cerca de 1,2 milhão de casos de pessoas com a doença, muitas delas ainda sem diagnóstico, enquanto se prevê que no mundo tenham em torno de 35,6 milhões de pessoas com a doença de Alzheimer.2

Quem está sob maior risco de desenvolver a doença de Alzheimer

A incidência da doença de Alzheimer é maior em pessoas acima dos 65 anos,1 apesar de poder se manifestar em adultos mais jovens, acima dos 50 anos,1 de forma bastante rara. Os casos acometem exponencialmente indivíduos com mais de 85 anos.3

As mulheres também são mais afetadas pela doença de Alzheimer, mas isso pode ser simplesmente uma decorrência do fato de que as mulheres apresentam maior expectativa de vida em relação a do homem, o que reafirma o posicionamento do fator idade como principal motivo para propensão da doença, não havendo, necessariamente, relação com o sexo do paciente.

“Pessoas que tem certos hábitos de vida ruins, como: vida sedentária; baixa atividade intelectual; colesterol e triglicérides elevados e que não fazem controle; pessoas que fumam e bebem em excesso, estão sob maior risco de desenvolvimento da doença de Alzheimer. Existe, também, um risco genético não-hereditário, porém parece não ser tão importante, significativo.”

Dr. Rodrigo Rizek Schultz, neurologista, coordenador do ambulatório de demência grave da Universidade Federal de São Paulo e diretor cientifico da ABRAz – CRM 80.201

IMPORTANTE

Há outros fatores de risco que podem influenciar no acometimento da doença de Alzheimer, como, por exemplo: hipertensão, colesterol alto, diabetes, obesidade, sedentarismo, tabagismo, herança genética e Síndrome de Down. Saber reconhecer estes fatores e conciliá-los com os sintomas característicos da doença de Alzheimer pode contribuir para a prevenção e um diagnóstico recente da patologia. Saiba mais em Prevenção.


Referências

1. Site Drauzio Varella. Disponível em: http://drauziovarella.com.br/envelhecimento/doenca-de-alzheimer. Último acesso em cesso em 6 de junho de 2015.
2. Site da Associação Brasileira de Alzheimer (ABRAz). Disponível em: http://www.abraz.org.br/sobre-alzheimer/o-que-e-alzheimer. Último acesso em 06 de junho de 2015.
3. Site do National Institutes of Health (NIH). Disponível em https://www.nia.nih.gov/alzheimers/publication/preventing-alzheimers-disease/risk-factors-alzheimers-disease.Último acesso em 10 de junho de 2015.

Veja mais em:

Conteúdos Relacionados